13 novembro 2019

Um passeio pelos trilhos do Mundo A Vapor


Durante as nossas últimas férias na Serra Gaúcha, presenciamos em Canela, Rio Grande do Sul, um acidente ferroviário. Fizemos até a self para registrar esse momento histórico. Brincadeiras à parte....o Expedições em Família esteve à frente da fachada do Mundo a Vapor.


Sobre a fachada, ela reproduz o acidente ferroviário ocorrido em Paris, no ano de 1895. Percorrendo seu trajeto rotineiro, a locomotiva perdeu o controle e, sem freio, atingiu a Estação de Montparnasse. Ela atravessou a parede e caiu de uma altura de 12 metros, permanecendo suspensa por um de seus doze vagões.


Sobre o Mundo a Vapor, trata-se de um parque temático que nos conduz aos trilhos da História do Mundo a Vapor. Nos demonstra, através de seus espaços interativos, o funcionamento das máquinas
outrora movidas a vapor. 


Um pouco de história....

“A História do Mundo a Vapor faz parte da História de Canela, RS” essa é a frase que o Mundo a Vapor utiliza para explicar a sua gênese. 


Tudo começou lá pelos idos da década de 1920 com a oficina mecânica de Ernesto Urbani que atendia as serrarias movidas por grandes máquinas a vapor. Seus filhos, Omar, Benito e Hermes, cresceram em sua oficina vendo o pai realizar os reparos dos locomóveis. Fascinados pelas máquinas a vapor, eles tinham a oficina do pai como uma espécie de laboratório para a criatividade, e dali
começaram a criar de maneira artesanal réplicas que reproduziam um processo industrial de maneira meticulosa e atraente.




Até que em 1991 o Parque Temático Mundo a Vapor ganhou forma e se tornou real, apresentando diferentes máquinas em miniatura, fabricadas com muito esmero, detalhes impressionantes e que funcionam!

A Entrada do Mundo a Vapor remete à bilheteria de uma estação ferroviária. É totalmente temática e contém elementos e peças decorativas que fazem jus ao tema abordado.








Logo que passamos pela portaria, o Mundo a Vapor se abre para todo visitante, nos dando a real noção de todas as atrações que ali vivenciaremos.






As atrações

Elas foram divididas em Entretenimento, Era industrial, Fábricas, Usinas. Aqui, vamos tentar passar um pouquinho do que descobrimos sobre cada uma.

Em Entretenimento, a nossa diversão foi apreciar a linda maquete da linha férrea de sete metros. Ela reproduz a linha no trecho Porto Alegre e Canela. Em 1924 a locomotiva gastava aproximadamente sete horas para realizar o trajeto.  A maquete demonstra as belezas vistas ao longo do percurso e evidencia detalhes dos costumes locais e modo de vida das comunidades de imigrantes. Ela foi extinta em 1963.




Maquete Linha férrea Porto Alegre - Canela
De maneira bem didática, lúdica e demonstrativa, os funcionários do parque nos explicava cada atração, especificando a dinâmica do mecanismo de funcionamento das máquinas e contextualizando historicamente.

Além disso, preocuparam-se sempre em nos repassar as informações com claridade. Quanto à linguagem utilizada, é importante informar aqui que essa era mais voltada ao público pré-adolescente e adulto. Quanto às crianças menores - como a nossa mascota (3 anos)- embora não compreendesse em sua totalidade toda aquela informação, elas ficavam fascinadas com a movimentação de todo o mecanismo das máquinas a vapor.

Na Era industrial tivemos como atrativos:

Locomóvel: descobrimos que é uma máquina, que ao gerar vapor, produz uma pressão que move os mecanismos dos cilindros. E assim a máquina começa a funcionar. É um aparelho fixo e foi muito utilizado pela indústria até o início do século XX.






Oficina: se trata de uma réplica da Oficina da família Urbani, onde os irmãos desenvolveram seus trabalhos que resultaram no Mundo a Vapor. Nela foram dispostas as peças originais utilizadas por eles.




Interior a Oficina Urbani
Rolo compressor: é uma réplica que demonstra um rolo compressor produzido em 1927 na Alemanha. Descobrimos que esse rolo pesava 10 toneladas, tinha uma potência de 35 HP e era movido a água e lenha. Era utilizado para compactar o solo com a finalidade de deixar a terra plana para pavimentação de estradas.




Moinho de pedra: aquele que costumamos ver muito nas cidades do interior brasileiro. No caso da Serra Gaúcha, foi uma herança legada pelos imigrantes italianos. Por meio dele, produziam a farinha de milho usada para alimentar as famílias. Quanto ao mecanismo demonstrado a todos, a roda d’água do moinho era movimentada por duas pedras por onde passavam os grãos de milho, sendo direcionados à peneira e se transformando em farinha.




Ferraria: nesse espaço tudo parece dinâmico e em movimento. Foi-nos demonstrado, através dos personagens em miniatura, que a máquina a Vapor é que movimenta todas as réplicas da Ferraria, tais como a serra para corte do ferro, a máquina de afiar e ventoinha para soprar o carvão. Na década de 1920 esse trabalho foi muito importante para a fabricação e cuidado de muitas ferramentas.











Barco a vapor: nessa atração nos foi demonstrada a caldeira a vapor que movimenta a roda d’água para gerar o movimento do barco.

Fábricas


Fábrica de papel: foi nessa ambiência representada a menor fábrica de papel do mundo, onde são fabricados papeis na hora, ao vivo, durante a explicação dos funcionários sobre o funcionamento de todo o maquinário. Ela foi construída pelos irmãos Urbani utilizando partes de uma esteira de uma
fábrica de celulose e papel que existia na cidade. A pequena amostra de papel produzido é entregue ao público como recordação.






Na Fábrica de erva mate podemos conhecer um pouco mais sobre a bebida típica desde a década de 1930, e mais famosa do Rio Grande do Sul. As folhas e talos da erva-mate são desidratados em uma espécie de estufa, onde ficam próximas a um braseiro. Logo, são transportados para o soque, onde pilões movidos por uma roda d´água moem as folhas, até chegarem ao ponto do chimarrão.



Na Siderúrgica vimos a representação de uma siderúrgica alemã dos anos de 1940. Nessa sessão vimos, a partir da máquina a vapor, o processo da sucata ser transformada em ferro, em um vergalhão que é utilizado na construção civil, dentro das vigas de concreto.




Na Olaria, o cenário representado é da década de 1910 e foi possível acompanhar passo a passo o processo da produção,  por meio da máquina a vapor,  de tijolos e telhas a partir da argila e do barro. São produzidos nessa mini olaria cerca de 300 pequenos tijolos e telhas, por dia, que cabem na ponta de um dedo.




Serraria: Nessa sessão vimos a réplica de uma serraria movida por uma máquina a vapor. No limiar da colonização de Canela, pelos idos de 1924, a principal fonte econômica eram as serrarias, elas exploravam o corte da árvore Araucária.




Pedreira: o cenário é representativo da década de 1880. Um britador, movido por uma máquina a vapor, demonstra como se dava a extração das rochas neste período. Por meio de dinamite, talhadeiras e marretas, os pedreiros removiam manualmente as pedras, utilizando a máquina a vapor como grande auxílio. 





Usinas

Na Usina termelétrica nos foi demonstrada com riqueza de detalhes a geração dessa energia, através do carvão mineral, biomassa, gás natural e outros recursos.

Na Usina eólica houve uma incrível demonstração de como o poder do vento é capaz de gerar energia.

Na sessão da Usina Hidrelétrica, a réplica é da Usina Hidrelétrica Bugres de 1956, situada em Canela.





Todos os cenários de cada atração possuem uma grande riqueza de detalhes e ver tudo em funcionamento a partir da máquina a vapor foi incrível, uma alegria para os olhos de crianças e adultos. 

Além desses espaços interativos, há no Mundo a Vapor outras atrações como espaço kids, lojinhas de roupas e souvenirs, a bicicleta geradora de energia, espaço para fotografias com trajes antigos, e o passeio de trenzinho para adultos e crianças que pode ser feito quantas vezes quiser.






É entretenimento e conhecimento, apresentado de forma dinâmica e lúdica, voltado para um público diversificado.

Nossa impressão, quando ali adentramos, observamos que O Mundo a Vapor vai além de uma atração turística para família. Ela reúne entretenimento, diversão, muita história e demais conhecimentos relacionados ao desenvolvimento industrial mundial. Excelente opção de passeio para todas as faixas etárias, inclusive para as crianças. Pelas fotos dá pra ver a curiosidade da mascotinha em cada
detalhe visto.

O Mundo a vapor está situado a Avenida Don Luiz Guanella, 1247, Carniel, Canela.

Funcionamento de 9 às 17 horas.

Fechado apenas às quartas feiras (exceto nos meses de julho, novembro e dezembro)

No site www.mundoavapor.com.br dá para comprar o ingresso com antecedência.

Valores para 2019:

Adultos: R$36
Estudantes:  R$20,00
Crianças de 4 a 15 anos: R$   20,00
Crianças até 3 anos: Grátis
Pessoas acima de 60 anos: R$20,00
  1. Que ótimo post! Esse passeio é fantástico. Viajamos em família e todos adoraram conhecer o Mundo a Vapor! Conhecimento e diversão num só lugar!
    Também recomendamos!!!

    ResponderExcluir
  2. Que fotos bonitas. Gostei muito desse parque. É uma viagem na história. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  3. Que paseio divertido. O moinho me lembrou a minha infância.

    ResponderExcluir
  4. Muito ricas as informações e sobre as réplicas, sem palavras… verdadeira viagem ao tempo com todo estilo. Parabéns pelo maravilhoso trabalho! 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

    ResponderExcluir
  5. Esse é um dos passeios encantadores e imperdíveis da Serra gaúcha. O mundo a vapor é um encanto, os meninos se divertiram muito aí !

    ResponderExcluir
  6. Entre Mapas e Milhas19 de novembro de 2019 02:40

    Este lugar me fez pensar tanto quando estive lá. Como não nos damos conta da importância das coisas até vermos como elas são feitas. Tenho o tijolinho da olaria guardado até hoje. Amei seu post, super bem escrito, explicativo e lindo!

    ResponderExcluir
  7. Poxa, eu não fui quando fiz Granado-Canela! Foi uma viagem rápida e tive que fazer opções! Mas parece que perdi um belo passeio!!

    ResponderExcluir
  8. Lúcio Costa Júnior20 de novembro de 2019 03:15

    Que dica maravilhosa! Sou louco pra conhecer a Serra Gaúcha. Adoro esse tipo de passeio cheio de história, informação e diversão. Anotadíssima!

    ResponderExcluir
  9. Lugar mágico e criativo, instigante e lúdico ao mesmo tempo. Texto que empolga a conhecer a magia do trem e viajar através do tempo põe esses trilhos que hoje estão mais em nosso imaginário. Um grande abraço e muito obrigado por mais um post magnífico.

    ResponderExcluir
  10. Nós que agradecemos todo o seu tempo em ler nosso post e seu carinho. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. ah que bom que gostou! Fico muito feliz! Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  12. Sim, perdeu sim! Mais um motivo pra voltar lá! rs Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  13. e é tão gracioso os regalitos que eles nos dão lá né?! Que bom que gostou do texto! Fico muito feliz! Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  14. Que bom que gostou querida! Fico muito feliz! Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  15. Obrigada! Que bom que gostou! Fico muito feliz! Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  16. Foi mesmo um passeio incrível! Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  17. Verdade!! Foi um passeio incrível! Vale a visita lá! Obrigada pela visita ao nosso blog!

    ResponderExcluir
  18. Adorei a dica dessa atração! Não sabia que essa atração era tão rica em detalhes. As crianças devem ficar encantadas. Na próxima visita à Serra Gaúcha visitaremos!

    ResponderExcluir
  19. Acabei não visitando quando estive em Gramado e Canela e me arrependi ao ver seu post. Quanta riqueza e histórias num mesmo lugar. Eu vi a locomotiva na fachada mas jamais poderia imaginar a história do acidente. Tô boba!
    Claro que vou na próxima oportunidade, muito agradecida por dividir estas informações tão preciosas. 🙂

    ResponderExcluir
  20. Adoro trens! Quando criança fiz algumas viagens de trem no meu Ceará . Era um diversão e tanto . A visita ao Mundo a Vapor é com certeza imperdível.

    ResponderExcluir
  21. Adorei o post, sempre tive vontade de fazer este passeio, uma vez assisti o programa Estrelas da Angélica que foi filmado lá. Eu só não lembrava que ficava em Canela. Quero muito conhecer a Serra Gaúcha, está faltando em minha aventuras!

    ResponderExcluir
  22. Qué passeio mais interessante! E adoro conoo Voce da cada detalhe!!!! Parabens!!!

    ResponderExcluir
  23. Oi Deyse, nunca sabia que a fachada do Mundo a Vapor simbolizava um acidente ferroviário em Paris! Como é bom a gente pesquisar sobre a história do local antes de viajar!

    ResponderExcluir
  24. Esse foi um dos lugares que mais me surpreenderam em Canela. A história de criatividade por trás é muito legal

    ResponderExcluir
  25. Oi Vanessa, bom receber a sua visita. Sim é im passeio que merece ser feito. Bjs

    ResponderExcluir
  26. Que parque sensacional, muito lúdico e informativo. A nossa história agradece.

    ResponderExcluir
  27. Adorei saber os detalhes dessa atração, estou precisando voltar a essa cidade que tanto amo.

    ResponderExcluir
  28. Que fofura esse mundo a vapor! Parece que você está dentro de um brinquedo em um lugar completamente diferente!

    ResponderExcluir
  29. Adorei esse lugar! Deve ser muito divertido de visitar!

    ResponderExcluir
  30. Teu post me fez perceber que a gente não da muito valor ao que está ao nosso alcance né. Fiquei pensando quantas vezes já fui à Gramado e canela (sou gaúcha e já conheço desde criança a região) e já tenho várias selfs aí nesse mundo a vapor. Entretanto, nunca me interessei em explorar e fazer um passeio pelos trilhos do mundo a vapor, como você fez. Por outro lado, quando viajamos pro outro lado do mundo queremos explorar cada esquina e não deixar nada passar. Estranho né. Assim perdemos tanta coisa legal ao nosso redor. Acho que até isso vai mudar com o "novo normal". Até porque teremos que explorar mais o doméstico mesmo. ótimo post. obrigada

    ResponderExcluir

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search