03 abril 2020

O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo

Ruínas Sítio Arqueológico de São Miguel das Missões

Conheça as riquezas do Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo


O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo



O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo está localizado no município de São Miguel das Missões, na região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, microrregião de Santo Ângelo. A cidade integra a região das Missões, na Rota Turística das Missões Jesuíticas, junto a outros 26 municípios.
Sabe aquele lugar mágico que você tanta sonha conhecer?! Então, esse foi o nosso caso com essa região e ela não nos decepcionou! E olha, estivemos lá com uma criança de 3 anos! Ela gostou?! Veja as fotos e tire as suas conclusões!


O entardecer no Sítio Arqueológico, visão para o templo de São Miguel em ruínas


É possível fazer um passeio desses com criança?! Claro que é possível! Basta gostar desse tipo de turismo, querer levar a criança e servir de mediador na relação criança/objeto turístico, explicando, na linguagem dela, o que acontece por ali...
Por isso indicamos fortemente a todos a conhecerem, um pedaço muito importante de nossa história reside lá e merece ser conhecida por cada brasileiro. E por que a nossa história merece ser conhecida?! Porque só assim conheceremos a nossa identidade e o contexto em que hoje vivemos!
Mas lembre-se, desfrute desse incrível passeio somente após a quarentena. No momento #ficaemcasa, ok?!
E quando fizer as suas expedições, não deixe de contratar um Seguro Viagem, que é muito importante.

Um pouco de contexto histórico...

As terras que hoje compreendem a região das Missões eram antes ocupadas pelos indígenas, em sua maioria Guarani.  Entre os séculos XVII e XVIII, durante o processo de evangelização da Companhia de Jesus nas colônias da Coroa espanhola na América, houve o contato entre o “homem europeu” e os indígenas dessa região.

Maquete do Povo de São Miguel Arcanjo

Em 1632 foi fundado, aos pés da Serra de São Pedro, às margens do Rio Ibicui, um aldeamento de indígenas catequizados pelos jesuítas e que recebeu o nome de Aldeamento de Itaiacecó. Contudo, pelos idos de 1637 essa redução começou a sofrer ataques frequentes dos bandeirantes paulistas que buscavam capturar indígenas para servirem de mão de obra escrava. Todo esse contexto provocou o deslocamento da redução jesuítica-guarani para o local onde hoje é o Sítio Arqueológico. Justamente por essas atribulações, a instalação de São Miguel das Missões ocorreu apenas em 1687.


Rabiscos da Igreja de São Miguel Arcanjo

O Povo de São Miguel Arcanjo, que era uma das reduções do Estado Jesuítico do Paraguai, constituía, junto a outras seis reduções, os Sete Povos das Missões.  Basicamente, esses Sete Povos eram a reunião de grupos catequizados (jesuíticos - guaranis) que estavam locados na região nordeste do atual Rio Grande do Sul, às margens do Rio Uruguai. Quer saber mais?



Em 13 de janeiro de 1750 foi firmado o Tratado de Madrid, que redefiniu as fronteiras das possessões das Coroas na América. Assim, ele previa, no Sul, a troca da Colônia do Sacramento pelos Sete Povos das Missões Jesuíticas, situados no lado oriental do Rio Uruguai.
Em outras palavras, os jesuítas e os índios teriam que abandonar as suas reduções, as construções de longos anos das mesmas, o seu cotidiano, as suas criações, hortas, ofícios, o trabalho de catequese e alfabetização, e recomeçar em outro lugar.

A Redução de São Miguel das Missões em ruínas

Obviamente que houve reações por parte dos missioneiros e indígenas, gerando a Guerra Guaranítica. Sepé Tiarajú, cacique e alferes-mór de São Miguel, é relatado pela história como um dos grandes líderes dessa Guerra, lutando até a morte em 1756 (Dados do IPHAN).


Quanto à história contemporânea, na década de 1920 ocorreu o loteamento urbano no entorno das Ruínas de São Miguel Arcanjo, e partir dessa ação, a Vila de São Miguel foi criada em 1926, pertencendo ao município de Santo Ângelo. A então vila se tornou município em 1988.
O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo é hoje o maior atrativo do município, e resguarda os vestígios da presença dos jesuítas na região, seu trabalho de catequese dos guaranis, e a própria Guerra Guaranítica.

Templo de São Miguel em ruínas, visão posterior

Como chegar ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo

São Miguel das Missões está situado a 476 km de Porto Alegre pela BR 386, e a 57,4 km de Santo Ângelo pela BR-285 e RS-536, onde se encontra o aeroporto mais próximo.
Para chegarmos até lá, fomos de avião de Porto Alegre a Santo Ângelo. De lá, alugamos um carro.


Como chegar ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo de avião

O município não dispõe de aeroporto.  Você terá que adquirir passagens aéreas para os aeroportos de Porto Alegre ou de Santo Ângelo.
Você pode adquirir as suas passagens aéreas aqui. Você terá que completar o trajeto até a cidade de carro ou de táxi. A cidade não é atendida por carros de aplicativo (até julho/2019).
Você pode alugar seu carro aqui.


Como chegar ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo de carro

Segue abaixo os trajetos.

De Porto Alegre a São Miguel das Missões



De Santo Ângelo a São Miguel das Missões



Você pode alugar seu carro aqui.

Como chegar ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo de ônibus

Da mesma forma, de ônibus, você terá que se dirigir até Santo Ângelo e de lá pegar o ônibus da Viação Antonello. Para ter acesso aos horários e valores, acesse aqui.


Em que época ir ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo

Em qualquer época do ano. A cidade e seus atrativos ficam disponíveis à visita dos turistas em todas as estações do ano. O Sítio fica aberto o ano inteiro, aguardando a visita dos turistas. Porém, em função da pandemia, a exibição do Espetáculo e a visitação ao Sítio Arqueológico estão suspensas.


Onde comer em São Miguel das Missões

Nós fizemos as nossas refeições em um único local, que era o mais próximo da pousada e do Sítio. Foi o Café do Parque. Por lá saboreamos uma deliciosa pizza pela noite, antes do Espetáculo de Som e Luz, e almoçamos em Self-service. A comida era deliciosa e o valor foi justo. 


Onde dormir em São Miguel das Missões

Passamos a noite na Pousada das Missões, que fica bem ao lado da maior atração, o Sítio Arqueológico. Gostamos muito, acomodações limpas e agradáveis, café da manhã maravilhoso, recepção bem aconchegante dos funcionários da pousada. Era julho, bastante frio, e eles acenderam a lareira da recepção para nos aquecer. E você pode fazer a sua reserva aqui na caixa Booking.


O que fazer no Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo

O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo é constituído de elementos e espaços remanescentes da presença dos jesuítas e índios guaranis no local. Esses vestígios são as ruínas da Igreja de São Miguel, campanário e sacristia, elementos construtivos, fundações e base do casario indígena, praças, horto, sistema de canalizações pluviais, além de artefatos ritualísticos da fé católica.


Ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo - Sítio Arqueológico de São Miguel das Missões


Todo esse relevante conjunto foi tombado em 1938 como Patrimônio Nacional. Em 1983 o sítio foi declarado, juntamente com as Missões Argentinas, como Patrimônio Cultural Mundial pela Unesco.
Informações: O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo está aberto de terças-feiras a domingos e todos os feriados, de 9 às 12h e de 14 às 18h. Às segundas-feiras o funcionamento é de 13h30min às 18h.
Ingressos: - Adultos R$ 14,00 - Estudantes e crianças acima de 6 anos R$ 7,00. Adultos acima de 60 anos R$ 7,00. Esses foram os valores de julho/2019. Para valores atualizados consulte o Portal das Missões.
No complexo do Sítio Arqueológico de São Miguel há como atrativos de visitação:


Ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo das Missões

Essas ruínas integram os demais sítios arqueológicos remanescentes dos povoados implantados no território ocupado pelos índios antes e durante o processo de evangelização feito pela Companhia de Jesus nas colônias da Coroa espanhola na América, entre os séculos XVII e XVIII.


Ruínas do corpo principal da Igreja de São Miguel

Resta grande parte da fachada e corpo principal da edificação da Igreja de São Miguel, chamando a atenção de qualquer um que passa pelo entorno do Sítio, destacando-se belamente na região. Segundo apontam as fontes, ela foi edificada pelo arquiteto italiano Gian Batista Primoli, a partir de 1735, com características estilísticas que remetem ao barroco. 
As estruturas foram feitas em pedra arenito, as paredes detinham camadas pictóricas na cor branca, e internamente era ornamentada por pinturas e esculturas de madeira policromada (que hoje se encontram no Museu).

Cemitério
Esse “campo santo” estava situado à direita da igreja de São Miguel. Ali eram enterrados, separadamente, os corpos de homens e mulheres, meninos e meninas.



Casa das Mulheres ou Cotyguazú, Hospital, Asilo:

Essa é a visão que se tem dos resquícios do Cotiguaçu na redução jesuítica, a partir do antigo templo. Era a casa das viúvas e dos órfãos.

Visão de longe, para o Cotiguaçú ou a Casa das Mulheres

Cotiguaçu "uma casa grande com seu pátio no meio com uma só entrada, que diziam ter sido recolhimento de viúvas e donzelas". Dizia o Diário do Capitão Jacinto Rodrigues da Cunha em 17 de maio de 1756.

Casas
Onde residiam os indígenas e estavam locadas no entorno da praça. Segundo consta, elas possuíam alpendres, varandas.
Remetendo ao Alpendre da Quinta, Dom Francisco Grael, em seu diário, em 17 de maio de 1756 revela que “...tras de todo esto se hall ala huerta cerrada de piedra y siendo muy espaciosa; Tiene vários árboles, como son: naranjos, limones, pinos y otros árboles frutales, com buena galeria que queda destruída por el fuego...”.

Ele descreve com o era a localidade antes da destruição causada pela guerra (por trás de tudo isso estava o pomar de pedra fechado e muito espaçoso; Possui várias árvores, como: laranjeira, limão, pinheiro e outras árvores frutíferas, com uma boa galeria que é destruída pelo fogo).



Casa dos Padres
Onde residiam os padres. E nessa parte das ruínas, encontramos a placa com a seguinte descrição, também atribuída a Dom Francisco Grael, em seu diário, em 17 de maio de 1756.
“...Y hallaron ardendo todas las principales viviendas de las casas del Cura, que era muy buena. Con dos grandes pátios y corredores com columnas de pieda de  silleria”. (E eles encontraram todas as casas principais das casas dos Padres em chamas, que eram muito boas. Com dois grandes pátios e corredores com colunas de pedra).


Casa dos Padres


Tambo
Situado ao lado das oficinas e sua finalidade era a hospedagem de viajantes advindas de outras reduções


Casa dos Padres


Cruz Missioneira

Ali, muitos turistas param por alguns instantes para fazer uma prece, outros para tirar foto. Você sabe qual o significado dela? Nós não sabíamos.
Quando fomos comprar as lembrancinhas de nossa passagem pela cidade, obviamente que compramos essa linda Cruz. E lá na lojinha de souvenir o proprietário nos contou o significado. Ele também nos concedeu um papel com a imagem e os dizeres seguintes:




“Significado da Cruz Missioneira
Os indígenas a usavam como símbolo do bem contra o mal. Os dois braços abertos da cruz simbolizam a fé redobrada. Com a cruz Missioneira o portador deverá se dirigir a Deus e fazer seu pedido secreto. Para se assegurar que o mesmo seja atendido, não deverá comentar a respeito deste com ninguém. A Cruz é considerada um amuleto, já que quem a usa, seja junto de si no dia a dia ou a tenha em sua residência, tem proteção espiritual contra todos os males”.

Você também verá no complexo das Ruínas indicações dos vestígios da Quinta (horta e pomar), do Colégio e das Oficinas (ourives, escultura, pintura, música, tecelagem dentre outras).


Museu das Missões Jesuíticas

O Museu das Missões, projetado por Lúcio Costa, foi criado no ano de 1940 e seu acervo é composto de objetos, peças, artefatos e demais vestígios da presença missioneira na região como bens móveis, pia bastimal e diversas esculturas religiosas do período das missões.

Museu das Missões jesuíticas
Museu das Missões Jesuíticas
Museu das Missões jesuíticas
Acervo do Museu das Missões Jesuíticas

Museu das Missões jesuíticas


Sino


É um dos bens móveis que integra o Museu das Missões. Segundo consta, ele foi fabricado na Redução de São João Batista e fazia parte da torre da Igreja de São Miguel Arcanjo, antes da destruição.

Sino integrado à edificação do Museu. Ao lado, indígenas e seu artesanato


Espetáculo de Som e Luz

Para começar, só podemos dizer que foi mais um dos grandes atrativos da cidade, que nos emocionou e muito, inclusive à nossa mascot”a”.
Trata-se de uma narrativa que representa as missões jesuíticas guaranis na região, e a guerra entre europeus e indígenas, foi uma incrível volta ao passado que nos emocionou muito, mas, ao mesmo tempo, nos lembrou que a fome por riqueza ao preço da morte reside no coração desde o princípio da humanidade.
Sempre nos falaram que o local é místico e guarda, além de histórias e estórias, muitos acontecimentos extraordinários, algumas delas ouvimos dos moradores locais e funcionários do sítio arqueológico. Pois bem....

Naquela ocasião, a previsão era de chuva pela noite, o que poderia dificultar o belo espetáculo. Durante o nosso trajeto de Santo Ângelo até o município de São Miguel das Missões, a cada quilômetro que avançávamos em direção, as tenebrosas nuvens escuras e carregadas se tornavam constantes.


Visão noturna das ruínas durante o Espetáculo de Som e Luz

Somos uma família de muita fé e viajamos orando a Deus para que não chovesse, seria nossa ÚNICA chance de assistir ao espetáculo. E Ele abençoou, assistimos ao belíssimo show e a única chuva que presenciamos foi a de meteoros (sim! verdade! a noite foi de meteoros), que adornou ainda mais o céu!
Mais uma vez confessamos, foi, para nós, um dos lugares mais emocionantes que estivemos. E a nossa mascotinha se surpreendeu com a história narrada no Espetáculo e ao conhecer os indiozinhos no Sítio arqueológico.
Enquanto você não pode visitar o espaço por causa da quarentena, você pode conhecer o roteiro e o texto de todo o espetáculo no siteAlém disso, pode também assistir a um trechinho do mesmo em nosso Canal do Youtube! Ah! Ainda não se inscreveu, aproveite e se inscreva!




Informações: O espetáculo, em português, ocorre diariamente. Durante o Horário de verão ele acontece às  21h30min. Demais épocas, às 20h. 
Ingressos: Estudantes e pessoas com mais 60 anos – R$ 10,00. Demais pessoas: R$ 25,00. Obs: Ingressos à venda a partir de uma hora antes do espetáculo. Esses foram os valores de julho/2019. Para valores atualizados consulte o Portal das Missões.

Conhecer os índios Guaranis


Há ali uma pequena população indígena vivendo em uma edificação que nos disseram integrar a área do Sítio Arqueológico, bem nos fundos, mais afastado, das ruínas e cujo acesso se dá por uma outra rua. Passamos por lá, conversamos um pouco com eles e fizemos fotos. As aldeias aceitam doação e você pode também adquirir o artesanato feito por eles.


Índios guaranis


Artesanato indígena 


As mulheres indígenas, durante o dia, produzem dentro do Sítio Arqueológico e vendem, pelo lado de fora do Museu das Missões, o seu artesanato. Elas levam os filhos e ficam ali sentadas no chão do alpendre do Museu fabricando as peças enquanto os filhos brincam no gramado. Nota-se a presença de muitas mulheres idosas confeccionando também o belo e colorido artesanato.


Artesanato indígena

Enfim, o Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo é uma atração imperdível não só na cidade, mas em toda a região, por sua riqueza histórica e arquitetônica. Um local que o brasileiro precisa conhecer, para conhecer a sua história, as suas raízes, a sua identidade.

E você já conhece a cidade? Já visitou as ruínas?! Assistiu ao espetáculo? O que achou?
Conta pra gente aí nos comentários! Vamos adorar saber!

Ainda para saber mais sobre as missões jesuíticas no Brasil, o blog Mystras tem um texto muito bacana sobre os Sete Povos das Missões.  Agora, se você também tem curiosidades sobre as Missões Internacionais, dê uma lida no texto bem legal que o blog Entre Mochilas e Malinhas escreveu sobre as Ruínas de San Ignacio Mini  na Argentina. 


  1. A gente sempre vê fotos da igreja de São Miguel, mas eu não sabia que Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo era tão amplo e com tantos resquícios da época dos Jesuítas, com casas e outras construções. Foi uma viagem super rica e deve ter sido muito interessante o contato com os índios. Post completo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fabíola! Verdade, e não é muito falado mesmo com tantas especificidades, mas realmente é muito rico de tantos detalhes incríveis, um lugar mágico, incrível, amamos! Obrigada por nos acompanhar!

      Excluir
  2. Amei o blog!! Quanta emoção!! O lugar é mágico, místico, surreal, apaixonante, empolgante!! Indescritível a sensação de estar ali e o sítio arqueológico esta localizado dentro da cidade com visibilidade e de jeito que nos sentimos vivenciando tudo aquilo!! Uma viagem no tempo!! Impressionante lembrar tudo que ali se passou!! Ruínas estão ali como testemunhas, em forma de vestígios, da existência deste período!! Nos contam a linda história da evangelização dos indígenas pelos jesuítas e como o local era um templo de florescimento não só da religiosidade, mas de Arte, Ciência, Música, Escultura, Arquitetura....!! E do triste fim das Missões!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tamara! Você descreveu a nossa emoção, o nosso sentimento quando lá chegamos! Sem dúvida um lugar incrível, que saiu dos livros e das fotos da internet e se tornou realidade ao chegarmos lá! Obrigada por nos acompanhar!

      Excluir
  3. Como sempre, texto riquíssimo em detalhes! Leitura prazerosa, fotos lindíssimas!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OlÁ! Muito obrigada por nos acompanhar! Volte sempre ao blog!

      Excluir
  4. Adoro passeios históricos! Tive a oportunidade de conhecer algumas ruínas jesuíticas na Argentina mas ainda não conheço a Rota das Missões aqui no sul do Brasil. Adorei todos os detalhes do post e fiquei com muita vontade de conhecer o sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cíntia, tudo bem? Que bom que gostou, ficamos felizes em ler isso! Obrigada pela visita ao blog!

      Excluir
  5. Ainda não conheço a Rota Turística das Missões Jesuíticas, mas já vou incluir na minha lista de lugares para conhecer.. adoro roteiros históricos tb!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Sem dúvida é um roteiro bem interessante, você vai gostar! Obrigada pela visita ao blog!

      Excluir
  6. Que passeio incrível! Quanta cultura e história! Parabéns pelo trabalho de vocês, posts sempre riquíssimos em conteúdo e detalhes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gizele querida! Muito obrigada, bom ler isso! Obrigada pela visita ao blog!

      Excluir
  7. Que post riquíssimo! Assim que esse isolamento acabar, vou sair por aí explorando esse mundão com as dicas daqui!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Tudo bem? Ficamos muito felizes em ler isso. Obrigada pela visita ao blog, volte sempre!

      Excluir
  8. Ainda não conheço a Rota Turística das Missões Jesuíticas, mas depois de ler esse artigo com certeza vou incluir nos meus próximos destinos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OlÁ Leyds! Tudo bem? Tenho certeza de que você se impressionará bastante, vai amar! Obrigada pela visita ao blog!

      Excluir
  9. Adoro conhecer lugares históricos. Amei o texto e as dicas, uma verdadeira aula de história. Sei que meus pequenos adorariam assistir esse espetáculo noturno. Fiquei com muita vontade de conhece.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Angela! Muito obrigada pela leitura, ficamos felizes em ler isso! Sem dúvida é um destino incrível para se passear com as crianças, vocês vão gostar! Obrigada pela visita ao blog!

      Excluir
  10. Estou com São Miguel na minha lista de destino a tempos e ainda não me organizei para ir, gostei muito do post, cheio de dicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andrea, tenho certeza de que você vai amar, é um passeio incrível pela nossa história! Obrigada pela visita ao blog!

      Excluir
  11. Completamente encantada com seu post que faz um relato inspirador à uma viagem para conhecer as Missões.Há uns anos atrás me interessei em visitar mas acabei não dando a devida atenção. Esse é o tipo de viagem que nós adoramos.Como os colonizadores tinham uma política devastadora !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lilian querida! E nós estamos completamente felizes com seu comentário! Muito obrigada! Realmente precisamos voltar sempre aos lugares de memória e história para nos conhecermos e aprendermos com nossos erros e transformar a humanidade em algo melhor! Obrigada pela visita ao blog!

      Excluir
  12. Que lugar surreal e surpreendente, cheio de história e seus derivados encantos. Espero um dia voltar e me ater a tantos detalhes que encontrei aqui nesse post. obrigado

    ResponderExcluir
  13. Que legal! Super completo esse Post! Eu fui pra lá agora no inicio de Março, e AMEI. Inclusive estava escrevendo um post sobre lá mesmo eheheh. AMEI seu post!

    ResponderExcluir

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search